Gravataí Notícias
Portal de notícias de Gravataí RS

O papel das organizações educacionais na mudança social

O fato é que existe um enorme papel exercido pelas organizações educacionais no que tange a questão das mudanças sociais. O direito à educação é fundamental que colabora para o desenvolvimento do indivíduo e é determinante para o crescimento do país.

A educação é uma das formas mais eficientes para formar cidadãos completos, que entre suas ações sejam:

  • Questionadores;
  • Engajados;
  • Proativos;
  • Preocupados com a situação do país.

Ter esse perfil é fundamental para promover mudanças importantes na sociedade como um todo.

Um empresário do ramo de ppp perfil profissiográfico previdenciário sabe que a evolução social, cultural e econômica de um país acontece por meio do conhecimento e do acesso à informação.

Isso é necessário para criar uma compreensão de mundo, saber fazer ligações diante dos fatos, resolver seus problemas e desafios, além de exercer o papel de cada em um cenário tão complexo.

São inúmeras as pesquisas, tanto nacionais como internacionais, que já comprovaram que o estudo influencia diretamente na ascensão profissional. A qualificação é um dos aspectos mais relevantes no que tange a mobilidade social, afetando de forma paralela a economia.

Com um nível de escolaridade mais avançado, isso se reflete diretamente em fatores como pesquisa científica e inovação, garantindo para as indústrias processos mais eficientes e automatizados.

O empreendedorismo também aparece nesse cenário com a abertura de novas empresas e geração de novas oportunidades de renda, como abrir uma empresa de curso nr 35.

Obtendo melhores empregos e salários maiores, os indivíduos de uma sociedade podem consumir mais e investir, reduzindo a dependência de políticas públicas assistenciais.

Assim é possível progredir por meio da educação, conseguindo alcançar melhores condições de vida, construir um patrimônio e realizar sonhos. Neste ponto vale esclarecer que quando falamos em educação não basta ter um diploma.

Visando conquistar novas oportunidades no mercado de trabalho, é preciso que o conhecimento inclua competências comportamentais, como a capacidade de análise crítica, de construir opiniões, comunicar claramente suas ideias e participar da sociedade.

Indo além dos cursos de graduação e pós-graduação, é preciso se manter integrado à realidade global. Para isso, a internet é uma excelente aliada, dispondo de informações úteis em tempo real, pronta para ser consumida e analisada.

A grande importância dos estudos não depende de faixa etária ou do poder aquisitivo da família.

No entanto, ela se torna ainda mais relevante nas classes mais baixas, pois a educação atua reduzindo diferenças e desigualdades em relação às oportunidades de crescimento e mobilidade social.

Falando em conhecimento, uma empresa de consultoria em gestão financeira pode ser fundamental para auxiliar no gerenciamento de bens e valores, podendo te ajudar muito.

Conhecimento é saber quais perguntas fazer e onde buscar as melhores soluções para elas. Como você já pôde perceber após essa breve introdução ao tema, neste artigo vamos abordar o papel das organizações educacionais na mudança social.

O contexto da educação

No Brasil, em especial na educação pública, apresenta uma série de deficiências que podemos verificar em instalações precárias, na desvalorização do professor, na falta de vagas, na qualidade do ensino e na evasão escolar.

Além do sucateamento das escolas públicas, existem fatores externos, muitas vezes relacionados às necessidades financeiras da família, que levam os jovens para o mercado de trabalho, mesmo que não estejam verdadeiramente capacitados.

O fato de ter seu estudo defasado ou abandonado, faz com que boa parte desses trabalhadores não atendam às demandas do mercado. Dessa forma, ficam limitados a atividades operacionais, com menor complexidade e com uma remuneração mais baixa.

Muitos recrutadores em empresas como uma consultoria em TI apontam a dificuldade de preencher determinadas vagas devido à escassez de talentos e de profissionais preparados, o que só aumenta com o passar dos anos.

Uma forma de resolver isso é investir em treinamentos internos, visando reduzir as deficiências existentes em seus colaboradores.

Mas essa capacitação não substitui o ensino superior, de forma que bolsas de estudo também ganham espaço no meio corporativo, dando um incentivo para que os colaboradores concluam a graduação.

Indo ainda mais além, a educação tem como objetivo preparar o indivíduo para desempenhar sua cidadania e ingressar no mercado de trabalho como mão de obra qualificada.

Possui, dessa forma, um papel decisivo no desenvolvimento de qualquer sociedade, responsável pela transmissão de uma herança cultural e pela integração com o novo, com o futuro.

Aqui fica reforçada a importância dos estudos em relação à tecnologia, que vem transformando empresas como uma consultoria e licenciamento ambiental através da automatização de muitas tarefas.

Essa automatização tem reduzido a quantidade de vagas operacionais, pois trabalhos repetitivos passam a ser feitos por robôs ou softwares. Esse é um cenário que abre portas para profissionais especializados, que saibam aplicar e desenvolver essas tecnologias.

É fundamental que os profissionais busquem atualização para que não fiquem obsoletos e sejam dispensáveis dentro desses ambientes corporativos. É a educação que tem a função de preparar o capital humano para as demandas de um mercado em constante mudança.

Entendendo a mobilidade social

A sociologia fala em mobilidade social para compreender a formação de diferentes grupos dentro de uma mesma cultura. Falando de forma mais específica, ela também avalia as possibilidades de ascensão ou de rebaixamento dos integrantes destes grupos.

Esta é uma questão intimamente ligada aos ideais de igualdade e alguns princípios democráticos, que tratam:

  • A geração de renda;
  • Direito à educação;
  • Direito à saúde;
  • Direito à segurança.

O desenvolvimento social e econômico de sociedade com mobilidade ascendente mostra indícios de uma sociedade mais equilibrada, em que a riqueza está melhor distribuída.

A mobilidade social não contempla apenas as variações nas condições materiais de cada indivíduo, mas sim uma série de fatores socioeconômicos, como índices de desemprego e criminalidade.

São dois os tipos de mobilidade social: a horizontal e a vertical. No caso da mobilidade social horizontal, existe uma alteração de posição dentro do grupo, mas que não é o suficiente para uma mudança de classe social.

São exemplos o caso de um trabalhador que migra do interior para a capital para procurar emprego com consultoria agronegócio ou de um morador que é eleito síndico do prédio.

Não existe um aumento realmente significativo de renda, status ou poder aquisitivo, mas tem-se uma posição social de maior destaque.

Já no caso da mobilidade social vertical, existe uma alteração de classe social, que pode acontecer de forma ascendente, de uma classe mais baixa para uma superior, um descendente, quando se passa para uma classe inferior.

Sendo um conceito que reforça a possibilidade de um indivíduo prosperar e atingir uma classe social mais elevada nessa pirâmide, a mobilidade social é essencial.

Neste contexto, vale citar também a definição de sociedade estratificada, como sendo aquela em que não há mobilidade social, sendo uma situação bastante negativa, tanto para indivíduos quanto para o país.

É comum ver sociedades estratificadas em ditaduras e economias demasiadamente controladas pelo Estado. Em síntese, em uma sociedade estratificada o indivíduo está fadado a permanecer na mesma condição durante toda a vida, sem poder evoluir.

Poder fazer a locação de computadores é algo que ajuda na difusão da educação e da tecnologia para todas as classes. No Brasil, a mobilidade social tem crescido rapidamente nas últimas décadas. Segundo dados do IBGE, aumentou 63% de 1970 até 2000.

No entanto, perceba que mobilidade social não é sinônimo de igualdade social, pois no país ainda existem abismos sociais que precisam ser superados. É preciso superar as distorções que envolvem renda e o consequente acesso à educação e saúde.

Vale ressaltar que o atual mercado de trabalho demanda profissionais cada vez mais capacitados, exigindo uma educação de melhor qualidade.

A mobilidade social tem como freio a falta de qualificação profissional, já que indivíduos com pouco estudo costumam fazer parte de estatísticas de desemprego ou não conseguem empregos que permitam uma progressão sustentável.

Dessa forma só podemos finalizar este tópico concluindo que o investimento em educação é um fator essencial para consolidar a mobilidade social e diminuir a desigualdades de riquezas e oportunidades entre as classes.

Estudos como chave para o sucesso

Existe uma infinidade de cursos profissionalizantes como um curso brigada de incêndio abrindo novas possibilidades no mercado de trabalho.

Como você viu neste artigo, o estudo tem sido o grande diferencial para a mobilidade social nos últimos anos, isso considerando todo o mundo. Mesmo com todas as dificuldades, muitos jovens compreendem a importância da qualificação e procuram as universidades.

As organizações educacionais são o ponto de partida para uma sociedade mais igualitária, justa e com uma boa distribuição de renda.Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.