Bill Gates é afastado da Microsoft por ter relações sexuais com funcionária

O divórcio entre Bill Gates e Melinda teve novas informações neste final de semana, quando o Wall Street Journal, jornal americano de grande visibilidade, publicou que Gates foi afastado da Microsoft em 2020 através de uma investigação interna da empresa que acusava Bill Gates de ter um relacionamento sexual com umas das funcionárias da Microsoft.

O relacionamento aconteceu nos anos 2000, e foi considerado inadequado pela empresa, na época Gates ainda era presidente executivo da Microsoft.

Além de presidente da empresa, Gates era casado com Melinda desde 1994.

A investigação começou no final de 2019 e Bill Gates deixou a diretoria da Microsoft em março de 2020, quando a ação ainda não tinha sido concluída.

A funcionária alegou em uma carta que “teve um relacionamento sexual com Gates por anos”, e não teve sua identidade revelada, apenas que na época ela exercia a função de engenheira.

Um porta-voz de Bill Gates, negou que ele deixou a empresa por esse motivo, mas fontes próximas afirmam que a diretoria recomendou seu afastamento.

Deixando a presidência da Microsoft em 2008, Gates desde então, tinha apenas atuação no conselho da empresa.

A Microsoft emitiu um comunicado para a CNN Business, no domingo (16), afirmando que um comitê da empresa analisou o caso, “A Microsoft recebeu uma preocupação na segunda metade de 2019 de que Bill Gates pretendia iniciar um relacionamento íntimo com uma funcionária da empresa no ano 2000. Um comitê do conselho analisou a preocupação, com a ajuda de um escritório de advocacia externo, para conduzir uma investigação completa. Durante a investigação, a Microsoft forneceu amplo suporte ao funcionário que levantou a preocupação”.

Gates e Melinda anunciaram sua separação em 3 de maio deste ano, a fortuna foi estimada em 146 bilhões de dólares, os dois tiverem o primeiro encontro com a justiça na sexta-feira (14)